segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

Diferença entre morte física e desencarne

      No meio espírita falamos que a pessoas desencarnou, mas isso é a mesma coisa que morte física?
      Existe uma diferença que a grande maioria das pessoas não sabe, a morte física é quando o coração para e automaticamente todo o corpo morre, a pessoa pode estar morta mas não desencarnada; o desencarne acontece quando todos os finamentos energéticos se desligam.
      A morte física pode ocorrer de uma hora para outra, o desencarne ocorre gradativamente e pode levar dias, meses ou anos. Quando temos uma morte por acidente é comum o espírito ficar ligado ao corpo até que esses filamentos e seus pensamentos se separem.
       Como tudo tem um motivo ou uma programação, nem sempre ocorre da mesma forma, cada caso é um caso a parte. Ao envelhecermos é comum começarmos esse desligamento gradativo, nossa mente começa a esquecer certas coisas e nos preparamos. Numa morte precoce nem sempre é assim.
        A morte física deveria separar corpo físico de corpo espiritual, mas nem sempre funciona dessa maneira, há muitos espíritos que ficam vagando por aí, presos aos seus bens materiais, as pessoas ou ao ambiente em que viviam. É comum os familiares sentirem sua presença na casa, podem sentir cheiros ou ter a impressão de visualizar o parente. Isso acontece porque houve a morte física mas não o desencarne.
        Para termos um desencarne perfeito é preciso começarmos a nos desligar dos bens materiais e mudarmos nossos pensamentos. Desligar do material não é abdicar de conforto e viver na miséria, é não dar tanto valor a isso, é usufruir das coisas sem apego, o apego é o nosso grande mal.
       Nos apegamos a pessoas, casa, dinheiro e tudo o que achamos que é importante, quando na realidade o que temos de maior valor é os sentimentos, o amor que devemos ter por nós mesmos e pelos que nos cercam.
       O grande aprendizado é o amor, o motivo para estarmos reencarnando vida após vida é o amor. Aprender e vivenciar esse amor é nossa maior meta a ser aprendida.
       Cuide de seu corpo, de seus pensamentos, de suas emoções, acredite que tudo é possível e será. Confie mais em suas intuições, haja sempre de forma racional e seja muito feliz no tempo que te resta aqui na terra. 

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019

Porque durmo em palestras?

       Tenho visto muitas pessoas dormirem em palestras e até grupos de estudo. Muitos já vieram perguntar o porque disso, fui perguntar aos espíritos  e eles me disseram o seguinte:
       -Muitas pessoas tem uma vida corrida, ao sentar e assistir uma palestra, fazendo a prece, é comum relaxarmos, para aquele que está cansado é um convite ao sono. Essa sonolência pode ser causada pela indiferença, se estamos num lugar mas nosso pensamento está em outro, é muito provável que a mente se desloca para lá. Há casos também de espíritos que provocam esse sono.
       -Como assim? A casa espírita não é protegida pelos bons espíritos?
       -A instituição é protegida, o problema são os nossos pensamentos e sintonias. O espírito que nos persegue não consegue entrar na casa, mas consegue nos manipular a distância, afinal é nossa mente que nos liga a ele.
       -Eu nunca tinha pensado dessa forma. Já vi muitos que dormem dizerem que ouviram tudo, que estavam em desdobramento, ou seja, seu espírito saiu temporariamente do corpo mas ficou ouvindo e vendo tudo.
       -Se essa pessoa quisesse estar na palestra ou estudo, se concentrava e prestava atenção. Isso não é desculpa, na realidade pode ser uma fuga, está ali por obrigação ou se comprometeu a isso, mas pela sua vontade não estaria.
       -Eu mesma se vou a palestra após o almoço, também sinto sono, estarei fugindo também?
       -Após as refeições é preciso um grande esforço para se manter disperso, o ideal é comer pouco e comidas leves, pois o corpo fica lento durante a digestão. Mas se houver vontade em aprender, tenho certeza que você fará de tudo para se manter desperta.
       -Existe alguma dica para gente não adormecer em palestras ou estudos?
       -Certamente, já falamos sobre a alimentação, outra dica é tomar água, ficar sentado numa posição desconfortável ou mesmo em pé, se levantar e ir ao banheiro molhar o rosto. Mas tudo é paliativo, se você não tiver vontade de ficar acordada nada vai adiantar. Seu pensamento deve estar em aprender, esquecendo o que ficou do lado de fora da casa, esquecendo dos problemas e focando no aqui e agora.
         O sono pode ser um grande empecilho de sua evolução, aprenda a domina-lo para viver e aproveitar melhor sua estada aqui na terra, nossa vida é curta demais para não darmos valor ao que podemos agregar de conhecimento e aprendizados. Lute contra você mesmo se for preciso, não desista dessa maravilhosa oportunidade, muitos gostariam de estar em nosso lugar mas não podem.
       

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

Quando nos boicotamos

        Paulo é um rapaz de 32 anos, casado, pai de uma linda menina de 3 anos. Sua vida é cheia de altos e baixos, mas ultimamente as coisas não estão bem, não consegue emprego, tem discutido com sua esposa e ele está no limite para cometer alguma burrada.
        Dias desses um pensamento apareceu em sua mente, pensou em tirar a própria vida, afinal tem um seguro de vida e sua família ficaria bem. Só não tomou essa medida drástica porque de uns anos para cá ele tem sonhado com um homem, é um desconhecido, ele não consegue ver seu rosto no sonho, mas toda vez que sonha com essa pessoa, seus projetos ou sonhos não dão certo. Será um espírito maligno?
        Depois de muitas decepções, ele resolve procurar uma terapeuta que trabalha com hipnose e regressão, ele tem certeza que está sendo perseguido pelo mal e quer resolver isso da melhor forma possível, essa é a última tentativa antes de tirar sua vida.
         Após uma loga conversa onde ele conta tudo para a terapeuta,o retorno é marcado para 2 dias onde passará por uma sessão de hipnose, tentarão descobrir o motivo pelo qual esse homem o persegue. Foram dois dias de muita ansiedade e medo, afinal ele iria entrar ao desconhecido, seu conhecimento espiritual não era grande, já tinha ido tomar passe na casa espírita, foi algumas vezes em igrejas evangélicas também, mas sua família era católica, não que ele fosse praticante, mas tinha medo de certas coisas, principalmente de espíritos.
           Chegado o grande dia, Paulo nem conseguiu dormir na noite anterior, foi para terapia um pouco apreensivo, mas queria acabar com essa história de sonhar e tudo dar errado em sua vida. A sessão começou com um relaxamento, para se entrar em um estado hipnótico e acessar o subconsciente e as memórias esquecidas. De cara ele disse que o homem estava ali perto, a terapeuta disse para ele se aproximar.
           -Eu tenho medo. E se ele quiser me fazer mal.
           -Ele não pode te fazer mal, estou ao seu lado, você não está sozinho Paulo. Quero que você se aproxime e olhe bem para tentar reconhece-lo.
            Com um certo receio Paulo foi se aproximando e descrevendo o homem, começou por descrever as roupas, altura e quando ia falar do rosto, sua fisionomia mudou completamente, ficou quase transtornado e mudo.
            -O que você está vendo Paulo? É alguém conhecido?
            -Sou eu, o homem sou eu.
            -Muitas vezes nosso medo de mudanças ou coisas novas faz com que nos boicotamos, é preciso não ter medo e enfrentar os problemas.
            -Como faço isso? Como posso lutar comigo mesmo?
            -Em primeiro lugar você vai perder o medo, abrace esse homem que é uma parte de você, abrace com amor e perdão. Diga para ele que podem crescer e aprender juntos, converse com ele como se fossem amigos de longa data, agradeça ele por estar ao seu lado.
            Paulo mesmo com certo receio fez tudo o que a terapeuta falou,  foi se sentindo mais calmo e aos poucos aquele homem sumiu. Paulo não entendia muito bem o que estava acontecendo, mas sentia em seu corpo uma emoção forte, sentiu vontade de chorrar e deixou as lagrimas caírem, após um tempo que ele não sabe explicar, despertou desse sono mais calmo e com a certeza que tudo iria melhorar.
           A terapeuta explicou para Paulo que nossos medos e anseios são os maiores empecilhos para nossa melhora física, financeira, amorosa e espiritual. Até existe espíritos malignos, mas na maioria das vezes somos nós que nos boicotamos.
           Aproveite esse momento e se livre de toda e qualquer crença limitante, deixe para trás medos, anseios e inseguranças, tente viver sua vida de forma leve e tranquila, sem se preocupar com coisas que não irão agregar nada em nossa caminhada, sorria mais, ame-se sempre, perdoe-se e aceite-se com suas dificuldades e qualidades. Esse é o verdadeiro caminho a ser seguido.

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2019

É possível sentir e se comunicar com os espíritos?

         A comunicação com os espíritos é algo muito antigo, desde que o mundo é mundo existem pitonisas, magos, feiticeiros e médiuns. Na Bíblia aparecem vários relatos da comunicabilidade com o mundo espiritual ou com os mortos. Allan Kardec ao codificar o espiritismo o fez com ajuda dos espíritos. Porque ainda temos tanto medo deste intercâmbio?
         Frequento casa espírita há muitos anos, como estudante e voluntária, muitos chegam pensando que verão espíritos andando pela casa ou manifestação dos mesmos. Na realidade os espíritos até andam por todos os lugares, mas estão em outra dimensão, nem todo mundo consegue vê-los ou percebe-los, somente os médiuns treinados ou com mediunidade mais desenvolvida.
         Muitas pessoas já nascem com essa faculdade desenvolvida, outros a desenvolvem através do estudo e disciplina, nunca é fácil, por mais que muitos sonham em ter mediunidade, não é bem assim. Hoje em dia criou-se um certo status em ser médium, há os que vivem disso, ou seja virou profissão, como na antiguidade.
        Segundo Kardec e os espíritos, aquele que usar de forma errada sua faculdade, estará se comprometendo e é possível que seja retirada sua mediunidade. A faculdade em si não é exclusividade dos espíritas ou espiritualistas, muitas pessoas sentem, vêem e ouvem os espíritos sem nunca ter estudado ou frequentado um centro espírita, pois nasceram com alguma predisposição ou já a desenvolveram em outras vidas.
         Ter a mediunidade não quer dizer necessariamente que você é especial ou uma boa pessoa, quer dizer que você veio com o intuito e comprometimento de ajudar as pessoas que te cercam e fazer o mundo um lugar melhor para se viver. Usar essa faculdade para enriquecer é se comprometer com o mal que ainda habita em nós e perder tempo na caminhada evolutiva.
          Se você possui alguma faculdade mediúnica, estude, adquira disciplina em ajudar-se e aos que estão por perto, faça a reforma intima de pensamentos, emoções e ações, seja uma pessoa melhor a cada dia, vibre e viva envolto ao amor, paz e harmonia, somente assim você irá evoluir e crescer espiritualmente.
        

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019

Eu ouço vozes

        "Trabalho na recepção de um hotel, certa noite estava sozinho e ouvi chamarem meu nome. Era uma voz feminina, olhei ao redor e não vi ninguém. Era tarde e todos os meus colegas já tinham ido embora, havia somente mais um homem trabalhando comigo e estava fazendo lanche. Porque isso acontece comigo?''
        Algumas pessoas nascem com certas disposições ou percepções psíquicas, sentem energias, ouvem vozes, há os que conseguem ver vultos ou espíritos. Esses fenômenos parecem estranhos, mas são normais a qualquer pessoa mais sensível ou aberta ao novo. Isso não é um dom, mas sim uma predisposição adquirida em vidas passadas.
        A clariaudiência é o fenômeno de ouvir vozes, a capacidade de ouvir claramente àqueles que estão em outra vibração, ou seja, que vivem no mundo espiritual externo ou interno. Externo quer dizer em outros planos espirituais, interno somos nós mesmos. Nosso espírito é imortal e portanto trás conhecimentos que nem imaginamos, muitas vezes ele fala conosco e pensamos ser outro espírito.
        A clariaudiência pode ser experimentada de várias formas, há pessoas que ouvem uma voz quando não tem ninguém por perto, outras ouvem enquanto estão numa roda de amigos, em palestras ou em meio a várias pessoas, creio que a segunda hipótese é pior, pois não sabemos quem nos fala.
        É certo concluirmos que essas vozes ou experiências não estão ligadas ao ambiente físico. São percepções espirituais ou paranormais como alguns chamam. São percepções sensoriais do mundo ao nosso redor. Nosso ouvido pensa ouvir, quando na realidade é nossa mente que ouve, é o cérebro quem comanda tudo.
         Ao contrário das pessoas que veem os espíritos ou tem premonições, um clariaudiente pode ouvir as mensagens sem ver ou sentir nada. Para os que tem medo da visão, é uma ótima alternativa. O importante é sempre questionar o conteúdo, da mesma forma que podemos ser alertados por bons espíritos, existem também os que só querem nos influenciar a fazer coisas erradas.
         Há pessoas que tem essa percepção tão bem desenvolvida que conseguem distinguir timbre de voz, sotaque e conseguem reconhecem pessoas que já morreram. Muitos médiuns escreventes tem essa potencialidade, boa parte dos escritores espíritas a desenvolveram para repassar os conhecimentos que os bons espíritos nos enviam.
         A melhor maneira de desenvolver essa ferramenta de melhora espiritual é caminhar, agir e pensar  no bem, a nossa melhora depende de nossa mudança energética, física e espiritual, essa é a grande motivação para estarmos reencarnando constantemente na terra.
         Se você nasceu ou desenvolveu alguma potencialidade, deve se concentrar em usa-la da melhor maneira possível, com ética, bom senso, responsabilidade e coerência. Somente assim sua vida será pautada em melhora e aprendizado.

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2019

Relações dolorosas

         Muitas vezes encontramos pessoas em nosso caminho que ao conhecermos sentimos uma conexão e atração mútua, a amizade é fácil e a afinidade é total. Nesses momentos costumamos dizer que são reencontros de outras vidas.
         São relacionamentos que começam de forma leve e natural, mas com o passar do tempo viram algo ruim. Pode ser amizade ou relacionamento afetivo. No começo parece que tudo flui tranquilamente, mas com o passar do tempo vamos conhecendo melhor e vendo que não era assim tão bom. Chamamos de relações expiatórias ou dolorosas.
          Expiação é uma pena imposta àquele que cometeu alguma inflação, ou seja, os erros do passado que devem ser mudados. Expiação é uma contenção temporária da liberdade individual, necessária a reeducação do espírito. Certamente isso já aconteceu com você em algum momento de sua vida.
          Ao conhecer alguém sentimos que a amizade acontece naturalmente, existe uma cumplicidade e afinidade no pensar e agir, alguns chamam de almas gêmeas ou afins. Mas que tempos depois se transformam em uma obsessão, magoa, rancor e até raiva. Pela espiritualidade são chamados de relações dolorosas, que inicialmente tem tudo para dar certo, mas geralmente acabam de  forma dramática e até trágica. Porque isso acontece?
          Esse tipo de relação dolorosa ou cármica acontecem por causa de nossas pendências reencarnatórias. Precisamos aprender a nos relacionar com a família, com amigos ou amores. Aprender a conviver é uma de nossas metas. Aqueles com os quais nos relacionamos, são o nosso aprendizado, geralmente essas pessoas são um espelho do que somos interiormente.
          Já perceberam que normalmente implicamos com certas pessoas, no fundo elas tem algo igual a nós. É mais fácil ver o defeito no outro do que olharmos para dentro.
          A principal característica de um relacionamento doloroso ou cármico são as emoções não resolvidas dentro de si, tais como culpa, medo, insegurança, dependência, raiva, e muitos outros. Somos seres emocionais, infelizmente nada resolvidos, estamos a procura de alguém que possa nos ajudar, mas procuramos em pessoas ou locais onde isso não será possível. Acabamos por nos magoar ainda mais.
          São nesses encontros que temos a oportunidade de melhorarmos e aprendermos, mas para isso é preciso paciência, disponibilidade e coerência. A partir do momento que duas pessoas começam a repetir os mesmos padrões emocionais doentios de outras vidas, é nos dada a oportunidade de fazermos diferente e aprendermos a conviver com as diferenças.
          O propósito desses reencontros é isso, aceitar as diferenças, respeitar que cada um tem seu tempo e momento certo para aprender e evoluir. É preciso respeito e compreensão para as grandes mudanças que ocorrerão em nossa vida.         

segunda-feira, 28 de janeiro de 2019

Renascimento

          As vezes a vida nos prega algumas peças para nos testar e mostrar que tudo pode ser reinventado ou modificado. Hoje fazem três meses de meu renascimento, agora tenho duas datas de aniversário, uma de minha chegada ao plano físico e outra por sobreviver a uma grande e complexa cirurgia. É assim que a espiritualidade nos mostra novos caminhos a serem seguidos.
          Tudo começou quando em um exame de rotina foi descoberto uma mancha em meu rim direito. Novos exames, e a situação só foi piorando, de uma mancha virou um nódulo e após a ressonância veio a certeza de que era um tumor, ou seja, era preciso operar para ver a situação.
         Segundo o cirurgião, seria um procedimento simples e corriqueiro. Ledo engano, qualquer cirurgia requer um cuidado e pode acontecer muitos imprevistos. No meu caso todos os imprevistos aconteceram, o tumor cresceu e dobrou de tamanho em pouco tempo, ou seja, a cirurgia que deveria durar poucas horas, não aconteceu dessa forma.
         Era pra ser um pequeno corte, acabou por virar em muitos pontos, não bastasse isso, meu coração resolveu parar para descansar um pouco. Após ser reanimada e entubada para poder respirar, a cirurgia continuou. Segundo o cirurgião o procedimento foi um dos mais difíceis de sua loga carreira.
         Acordo após longas 12 horas com muitas dores, desconfortos e ligada a muitos aparelhos, parecia filme de terror. A única coisa que me tranquilizava era ver uma grande quantidade de espíritos amigos ao meu redor na UTI. Isso porque era uma cirurgia comum, imagina se fosse complicada.
         Se você pensa que tudo se resolveu facilmente, é porque não sabe que para nós que estamos em aprendizado aqui na terra, nada é de maneira fácil e tranquila. Em meu segundo dia de tratamento intensivo meu coração resolve dar mais um susto. Desse episódio eu lembro.
         Num dos momentos em que meu corpo dormiu pela medicação ou mal estar, vejo-me ao lado da cama e olho meu corpo. A visão nunca é agradável, mas vê-lo pálido, quase sem vida me assustou um pouco, alguns enfermeiros aplicavam medicação e olhavam os monitores ao qual eu estava ligada. Aproveitei para conversar com os espíritos que estavam ali cuidando de minha proteção.
         Eu estava de costas para meu corpo, de repente um barulho ensurdecedor, me viro e todos os monitores estão apitando, um força enorme me puxa para o corpo, fiquei atordoada sem saber o que acontecia, sentia mexerem em mim, mas não consegui reagir a nada, pensei em abrir os olhos mas não aconteceu nada. Eram muitas imagens circulando pela minha mente, lembrei de pessoas, acontecimentos, situações que passei em toda a minha vida. Tive a impressão que foram horas, mas sei que foram segundos.
          Não sei explicar como isso começou, mas em um determinado momento senti algo entrando por minhas narinas, era oxigênio. Segundo o médico eu quase parei de respirar e meus batimentos cardíacos estavam em menos de 10%. Não sei dizer que horas isso aconteceu, quanto tempo fiquei respirando artificialmente, só sei que ao acordar senti uma dor de cabeça horrível e meu corpo estava extremamente cansado.
          Como enfermeira sei de todos os inconvenientes de uma cirurgia, como terapeuta sei dos desdobramentos energéticos e mentais que nosso corpo e espírito precisam se adaptar para que tudo aconteça da melhor forma possível. O que o universo tenta nos mostrar com uma doença? O que é preciso mudar ou reaprender após um momento de sofrimento?
          Segundo os espíritos amigos, estava planejado essa doença em meu corpo, são resquícios de vidas passadas e descuidos com a saúde. Como sou uma pessoa que nem resfriada fica, acabo por não cuidar tanto assim de minha saúde, durmo pouco e me dedico muito ao trabalho, ao estudo e a ajuda espiritual. Mas as vezes precisamos parar e curtir o momento como os jovens costumam dizer.
         Resolvi dividir esse acontecimento para ajudar as pessoas a não desistirem de sua caminhada, a vida não é fácil para ninguém, quanto maior for sua sensibilidade, mediunidade e conhecimento, mas você será cobrado a se reinventar. Muitos tem sofrimentos emocionais, outros os sofrimentos são físicos, outros tem os dois, cabe a cada um de nós encara-los da melhor forma possível, com dignidade, respeito, coerência e bom senso.
          Estamos em um corpo físico provisoriamente para evoluímos, mas
nossa essência é espiritual.